Instituto Paulista de
Déficit de Atenção
Hiperatividade

Hiperatividade e TDAH - sempre juntos?


A hiperatividade é um dos componentes mais conhecidos do TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. A criança hiperativa mostra um nível de atividade bem maior que outras crianças da mesma idade, que acaba por incomodar bastante as pessoas ao redor. A criança torna-se difícil de lidar, porque "não para quieta", tem dificuldade em permanecer numa atividade - mesmo brincar ou assistir TV, o que prejudica coisas importantes, como comer ou atender o que a professora solicita. Com isto, acaba sendo um desafio para os pais, familiares e professores.

Diante da hiperatividade infantil, mães e pais costumam se desesperar. Em casa, acabam sendo fonte de stress e até mesmo brigas entre os pais. Como são muito inquietas, os pais acabam por dar broncas o tempo inteiro; também ficam muito cansados com a necessidade de supervisão constante. Quem já esteve próximo de uma criança hiperativa sabe o quanto é exaustivo. As reclamações podem ser muito intensas, especialmente quando a criança perturba a tranquilidade em casa ou começa a chamar demais a atenção na escola. Por isto, a hiperatividade é considerada parte dos transtornos disruptivos, nos quais os sintomas externalizados causam as maiores queixas.


Seguir


Compartilhar


Curso para Pais

Sua criança é Hiperativa?

Curso do Instituto Paulista de Déficit de Atenção especialmente desenvolvido para mães, pais e familiares que precisam melhorar o comportamnento das suas crianças. Indicado para crianças hiperativas, distraídas, desobedientes, birrentas, com problemas escolares e TOD - Transtorno Opositivo Desafiador

"Como lidar com crianças quase impossíveis"
Curso totalmente online - Início imediato.



Todas as crianças agitadas tem um transtorno de Hiperatividade?

É certo que as crianças frequentemente são mais ativas que os adultos, sem que isto seja uma hiperatividade anormal ou patológica. A diferença é que a criança hiperativa mostra um excesso de comportamentos físicos, manifestados como movimentos, quando comparadas com outras crianças de idade próxima. Além disto, a impulsividade também acompanha.

Há graus de hiperatividade - maior ou menor agitação, com sintomas variando entre leves a graves. A depender da gravidade, a hiperatividade pode comprometer o desenvolvimento social e escolar, especialmente a alfabetização e a aceitação de regras / limites.


Hiperatividade é para sempre?

Apesar de ser um sintoma que incomoda muito, usualmente diminui com a passagem dos anos, tornando-se cada vez mais rara na adolescência. O mais comum é encontrar meninos hiperativos. Em adultos, dificilmente há hiperatividade física incapacitante, embora a agitação mental seja bem frequente, especialmente quando em combinação com ansiedade.


Hiperatividade e Distração - Pode haver déficit de atenção sem hiperatividade

Há muita confusão entre hiperatividade, distração e déficit de atenção. A hiperatividade é um dos sintomas do TDAH. Só que isto não significa que todas as crianças hiperativas tenham de fato TDAH. Fala-se em hiperatividade, em primeiro lugar, sob uma perspectiva apenas descritiva, em referência a uma criança que é bem mais agitada que as outras da mesma idade.

O TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade tem diferentes tipos. Isto significa que pode sim haver déficit de atenção sem hiperatividade. São três os tipos de TDAH: Tipo Desatento, Tipo Hiperativo-Impulsivo e Tipo Misto / Combinado.Pode se manifestar com ou sem hiperatividade ou com ambos presentes, no tipo combinado.Para saber mais sobre os tipos de TDAH e qual poderia ser seu caso ou de sua criança, faça um dos testes online do IPDA.


A hiperatividade vem acompanhada de impulsividade - são os dois lados da mesma moeda. Como não consegue controlar o impulso de fazer algo, de se mover, de mexer ou buscar, acaba exteriorizando-o no movimento. Com a distração é diferente. Primeiro, porque dificilmente pode-se falar em concentração quando a criança é pequena. Esta é uma capacidade que elas ainda não desenvolveram. O que muitas vezes ocorre é que crianças não-hiperativas, por serem mais tranquilas, permancem por mais tempo numa atividade, por exemplo a brincaderia, levando os pais a concluírem que ela está "concentrada".



Em crianças, a distração começa de fato a ser percebida (quando existe) nos primeiros anos da alfabetização, quando um certo grau de capacidade de concentração já é esperado na escola.


Causas da Hiperatividade

É importante que as causas da hiperatividade sejam identidicadas de forma correta. A falta de um bom diagnóstico diferencial pode levar a tratamentos inadequados. Saber mais sobre diagnóstico e tratamento para hiperatividade no TDAH faz toda a diferença na hora de ajudar seu filho.

Nem todas as formas de hiperatividade tem relação com déficit de atenção - TDAH. Outras causas possíveis são alterações metabólicas e hormonais, intoxicação por chumbo, complicações no parto, abuso de substâncias durante a gestação, entre outras. Problemas situacionais, como crises familiares (luto, separação dos pais e outras mudanças) podem ser traumáticas para crianças e levarem a um quadro de hiperatividade reativa.

Todas estas possíveis causas devem ser investigadas antes de se pensar qual o melhor tratamento da hiperatividade em questão, especialmente quando se desconfia de hiperatividade em bebês.


Como diagnosticar a Hiperatividade Infantil - Crianças pequenas e bebês

Um especialista em comportamento infantil pode ajudar a distinguir entre a criança normalmente ativa e enérgica e um caso realmente hiperativo. Crianças bem pequenas podem correr, brincar e agitar-se felizes durante horas sem cochilar, dormir ou demonstrar qualquer cansaço.


Se a criança é muito pequena, usualmente não se faz um diagnóstico formal transtorno. Isto porque em vários casos, o próprio amadurecimento neurológico leva à redução dos sintomas. Os pais costumam ficar aflitos com o diagnóstico porque querem ajudar suas crianças, mas também porque eles mesmos precisam ser ajudados. Veja mais sobre hiperatividade em bebês e crianças pequenas.



O que fazer em casa

Há sempre muita coisa que os pais podem fazer em casa, especialmente com crianças bem pequenas. A agitação infantil pode diminuir bastante com mudanças simples, como tornar a vida da criança mais estruturada, com hábitos e rotinas que a ajudem no desenvolvimento da auto-regulação.


Muitas crianças são agitadas porque não sabem, não conseguem se aquietar. Justamente por isto, se tornam mais irritadiças, chorosas e cansativas para os pais. Ensinar relaxamento às crianças é essencial, para a tranquilidade delas e também para a paz em casa. A hora de dormir é um momento muito especial do dia. Os pais podem e devem aproveitar esta oportunidade para introduzir rituais de relaxamento. Com isto, ganharão uma criança mais tranquila e também fortalecerão os vínculos de afeto.



Limites e regras ajudam a controlar a hiperatividade


Ter limites e regras que funcionem é essencial. Todas as crianças gostam de "testar" os pais, o que é ainda mais frequente quando são agitadas - são inúmeros "nãos" que elas recebem. Por isto, é preciso aprender as maneiras certas de conseguir a colaboração das crianças, sem brigas nem reclamações.


É certo que todos pais e mães sabem o quanto é difícil conseguir colocar regras em casa. E é ainda mais desafiador quando a criança é agitada, não para, não escuta... Isto porque, nestes casos, os próprios pais já vão perdendo a paciência e a capacidade de agir de maneira firme, conseguindo a colaboração da criança. Se este é seu caso, saiba que há várias coisas que podem ser feitas para tornar estes desafios mais manejáveis. Várias mães e pais já conseguiram resultados muito positivos com suas crianças, tanto com psicoterapia, cursos de educação de pais e também com o curso online para pais "Como lidar com crianças quase impossíveis".

Autor

Depoimentos do Curso Online "Como lidar com crianças (quase) impossíveis"

Depoimento "Eu estava bem perdida, me sentindo muito mal em como agia com minha filha. Já tinha feito terapia e sabia que castigos não funcionavam... Só que acabava perdendo a cabeça e o controle, levantava a mão para ela...Foi MUITO bom ler os depoimentos das outras mães, que eram também imperfeitas, mesmo querendo fazer o melhor. As atividades práticas são excepcionais, eu consegui entender e seguir passo-a-passo... Obrigada a todas as mães e pais do curso, pelas conversas e ao IPDA pela iniciativa, ajuda e força!! "Julia Prestes Camargo, de São José dos Campos - SP

Depoimento "Já tinha passado incontáveis horas com psicólogos, psicopedagogos, conversando sobre meu filho, nossos problemas, sobre eu mesma, mas nunca tive a orientação que estou aprendendo neste curso de pais. Nunca tinha visto a coisa nestes termos, um passo-a-passo do que precisa ser feito, tudo bem concreto. Afinal não bastam as boas intenções, falar que precisa mudar. Tem de saber como, era o que eu não conseguia encontrar. Confesso que me ainda sinto mal com isto, descobrindo as coisas que já podia ter feito há muito tempo, mas sei que estou num caminho melhor. "Raquel Menegazzo, de Salvador - BA