Para se responder se o tratamento sem para medicação para TDAH é mesmo possível, um primeiro aspecto que deve ser analisado é: o TDAH é um problema de base orgânica - ou seja, tem relação com padrões específicos de funcionamento cerebral. Contudo, isto não quer dizer que todas as dificuldades se reduzam a esta base orgânica. Deve-se levar em conta também que a intensidade do problema pode variar - dos casos mais leves até os mais graves. Finalmente, é preciso levar em conta que, uma vez que uma alteração orgânica relevante pode fazer parte do problema, como ela será incluída no plano de tramento.

Tratamento sem medicação para TDAH: É mesmo possível?

Um bom exemplo relacionado ao TDAH é: uma criança que seja portadora de TDAH com hiperatividade e que, ao mesmo tempo, está acima do peso desde muito cedo, é assediada por seus colegas de sala, sendo chamada de "baleia orca" ou 'Free Willy" e que declara detestar a escola. O TDAH é parte do problema, com certeza. Contudo, é incorreto esperar que o caso será bem atendido apenas baseando o tratamento em medicação psicotrópica para a desatenção ou hipertividade, como a Ritalina ou Concerta. Este caso é um exemplo no qual um componente não medicamentoso deve ser obrigatoriamente incluído no tratamento.

A medicação com estimulantes, como a ritalina, é uma das alternativas para as alterações orgânicas. Porém esta não é a única alternativa. O Neurofeedback é um tipo de tratamento direcionado a alterar os padrões de funcionamento cerebrais, de forma natural e não invasiva. Ambos os tratamentos tem seus aspectos positivos e outros não tão positivos. A medicação tem efeito rápido, porém o efeito dura apenas o tempo em que a pessoa está medicada - em torno de 4 a 6 horas. Além disso, o tratamento com remédios não tem prazo para terminar. No caso do Neurofeedback, o tratamento é mais longo (pelo menos 6 meses) e os resultados não são imediatos - o lado positivo é que os efeitos são igualmente de longo prazo e se mantém mesmo após o término do tratamento. Veja mais sobre a comparação entre os tratamentos com Neurofeedback e ritalina.

Ou seja, há mais de uma alternativa para tratar o TDAH - não apenas medicamentos estimulantes. O importante entender que os problemas tem causas múltiplas, é começar com um bom diagnóstico diferencial e um plano de tratamento, que leve em conta tanto as necessidades de curto e longo prazo - e a possibilidade de terminar um tratamento sem perder os ganhos adquiridos.

Link para o artigo original: www.dda-deficitdeatencao.com.br/artigos/tdah-tratamento-sem-medicacao.html - Escrito por Cacilda Amorim, Diretora Clínica do IPDA. Se copiar ou citar este artigo, mantenha esta nota e o link  original.

Tratamento sem medicação / remédio para TDAH

Neurofeedback- Rede Record

Home O que é TDAH Diagnóstico Tratamentos Testes Online Depoimentos Cursos e Treinamentos IPDA na Mídia Artigos

 

TDAH - Déficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH: Diagnóstico e tratamento

Envie esta página a um amigo e compartilhe nas redes sociais! Colabore com a divulgação do TDAH!

IPDA - Instituto Paulista de Déficit de Atenção

Copyright 2004 - 2012 - Todos os direitos reservados

Envie esta página a um amigo!

 

 

 

Siga-nos

 

Curtir!